Cyber ou retrô

Ou eu entendo o mundo, ou fico feito gato atravessando a estrada: quando vê luz, trava. Porém, o risco de mudar é enorme. Mas ainda acho que vale a pena.

Participei ontem do 12º Encontro Locaweb para Profissionais de Internet e várias números ficaram ecoando na minha cabeça (80% das empresas no Brasil ainda não têm domínio), além de declarações bombásticas de alguns palestrantes. Gil Giardelli matou a pau e eu, que já seguia o cara no twitter e acompanhava seu trabalho no blog, fiquei impressionada com a quantidade de informação que ele disponibilizou em curto espaço de tempo. Pudera, o Gil tem uma rede formada com mais de 350 aulos do curso de Ações Inovadoras em Comunicação Digital na ESPM que funciona como espécie de radar disseminador de informações/novidades. Não é à toa que ele disse que a rede social é a ciência da reputação.

Fazendo um apanhado do que falou o Luli Radfahrer, outro fera, listarei algumas das 18 tendências que achei mais interessantes e que surgiram de 2009 para 2010.

Tracking
O que conta agora é saber onde as coisas estão e com instantaneidade. Que o digam twitter em celular, google latitude, entre outras.

Autismo coletivo
um monte de gente junto, mas não necessariamente próximas. Essas pessoas estão conectadas com o mundo, mas vivendo cada uma sua própria realidade.

Nomadismo
O mundo tá achatado e o trabalho cada vez mais remoto. Os processos são equivalentes, as cidades parecidas e genéricas. O que importa é onde você está e não onde você mora.

Integração
Dados e interfaces modulares, abertas e intercambiáveis. A partir do momento que o twitter geolocaliza alguém, por exemplo, a integração é efetivada. O próximo passo é integrar e digitalizar negócios, experiências e cidades inteiras. Alguém duvida que SimCity não será realidade?

Ambiente
Metaverso não é fuga, simplesmente tende a ser a nova rede social. O fascínio está em poder dar um control + z caso algo dê errado.

Pirataria
Todo mundo aprende copiando, por isso, até certo ponto, é importante. Na China eles copiam furiosamente algo e depois desenvolvem melhor.

Pornografia
É a ponta de lança para qualquer indústria. De fetiche a otaku, várias empresas crescem por causa da pornografia.

Colaboração
Seria até desnecessário comentar como tendência, mas é inconcebível deixar de mencionar a colaboração em tempos de redes sociais.

Design
Cada vez mais, o tempo é curto. A melhor forma de transmitir uma mensagem (e fixá-la) é através de uma boa imagem. Criatividade não deve ser exceção. Deve ser a regra.

História
É a forma com a qual as pessoas irão assimilar o conteúdo, porque a história é mais importante do que a tecnologia em si. A história é como eu catalogo as coisas mentalmente.

Valor
Essa é bem direta. Se não gerar valor, simplesmente não gera conexão alguma.

Os números apontados durante o encontro, também são emblemáticos e me fizeram parar para pensar. A tal da história do gato no começo do post. Mas vamos lá:

2/3 do mundo não usa caracteres romanos. Então, globalização propriamente dita é uma piada. Trata-se de uma globalização apenas do mundo ocidental. E ponto.
Existem quase 2 bilhões de pessoas online
4,6 bilhões de celulares
4 bilhões de fotos no Flickr, sendo que sobem, diariamente, 9 milhões de imagens
O Facebook tem mais de 350 milhões de usuários
Skype conta com 450 milhões de pessoas
E o Bit Torrent já tem mais de 100 milhões de usuários

Enfim, se é que podemos concluir algo, eu diria que não há mais sentido separar o mundo físico do mundo virtual. Não só cyber, não só retrô.