Vai e volta

Como boa filha da classe média, cresci ouvindo minha mãe falando que eu não deveria me desfazer assim tão rápido das roupas que eu enjoava ou que se tornavam ultrapassadas. E já que eu era a terceira irmã, e não teria mesmo pra quem repassá-las, o negócio era deixar um tempo guardado mesmo. Mas ela insistia em dizer que “daqui uns tempos a moda volta”. Até parece! – pensava eu. E, bingo! Não é que dali uns anos tudo que era feio voltava a ser bonito? E eu era a garota sortuda que entre as amigas tinha o guarda-roupa mais recheado de “novidades”.

O engraçado é que este conceito bem aplicado da minha mãe continuou servindo pra outras coisas. O mundo insiste em chamar de novo aquilo que já sabemos existir de longa data. O reciclado ganha aspecto de inédito e assim a gente vai vivendo numa espécie de revival ininterrupto. Agora, por exemplo, fala-se ainda e muito em below the line, apesar de a curva já estar baixando (o eterno vai e volta). Falo disso só pra reforçar o que o Rodrigo escreveu no primeiro post. É que a gente vem fazendo isso aqui há séculos na Dobro e de forma espontânea, como se para nós não houvesse outra forma de fazer comunicação. Como se o jeito mais tradicional e muitas vezes mais prático e cômodo, para nós não diga muita coisa. Claro, verdade seja dita, por estarmos num mercado pequeno, de interior, falar em grandes campanhas é quase como querer acreditar na fada dos dentes. A gente sabe que não existe, mas continua colocando moedinha debaixo do travesseiro. Ou mais ou menos isso…

Mas o fato é que, para nós, sempre será desafiante realizar uma campanha ou planejar um lançamento ou criar uma nova marca e posicioná-la no mercado, ou qualquer que seja o trabalho, de um jeito não-convencional e não-linear, instigando nossas vontades e inteligência. E, claro, buscando sempre o melhor resultado, porque sabemos bem o que quer o cliente ao final das contas. Isso sim, é comunicação bem feita e surpreendente.